Xando Graça

•January 18, 2008 • Leave a Comment

21-xando.jpg

Assim começa a segunda parte do espetáculo.
Trata-se de uma peça escrita pela Clarice em 1949 e só foi editada
em 1964. Nunca foi encenada antes.

SACERDOTE – No amor pelo Senhor não me perdi, sempre seguro no Teu dia como na Tua noite. E esta simples mulher por tão pouco se perdeu, e perdeu a sua natureza, e ei-la a nada mais possuir e, agora pura, o que lhe resta ainda queimarão. Os estranhos caminhos. Ela consumiu sua fatalidade num só pecado em que se deu toda, e ei-la no limiar de ser salva

O sacerdote.

•January 18, 2008 • Leave a Comment

20-o-sacerdote.jpg

Cada humilde via é via: o pecado grosseiro é via, a ignorância dos mandamentos é via, a concupiscência é via.
Só não era via a minha prematura alegria de percorrer como guia e tão facilmente a sacra via.
Só não era via a minha presunção de ser salvo a meio caminho. Senhor, dai-me a graça de pecar.
É pesada a falta de tentação em que me deixaste. Onde estão a água e o fogo pelos quais nunca passei?
Senhor, dai-me a graça de pecar. Esta vela que fui, acesa em Teu nome, esteve sempre acesa na luz e nada vi.

Kate Hansen, Teresa Montero e Giovana de Toni são os anjos renascidos. Elas declamam o texto em coro…

•January 18, 2008 • Leave a Comment

19-os-anjos.jpg

 Eis-nos quase aqui, vindos pelo longo caminho que existe antes de vós. Mas não estamos cansados, tal estrada não exige força e, se vigor reclamasse, nem o de vossa prece nos ergueria. Só uma vertigem é o que nos faz rodopiar aos gritos com as folhas até a abertura de um nascimento. Basta uma vertigem, que sabemos? Se homens hesitam sobre homens, anjos ignoram sobre anjos, o mundo é grande e abençoado seja o que é. Não estamos cansados, nossos pés jamais foram lavados. Grasnando a esta próxima diversão, viemos sofrer o que tem que ser sofrido, nós que ainda não fomos tocados, nós que ainda não somos menino e menina. Ei-nos nas malhas da tragédia verdadeira, da qual extrairemos a nossa forma primeira. Quando abrirmos os olhos para sermos os nascidos, de nada nos lembraremos: crianças balbuciantes seremos e vossas mesmas armas empunharemos. Cegos no caminho que antecede passos, cegos prosseguiremos quando de olhos já vendo nascermos. Também ignoramos a que viemos. Basta-nos a convicção de que aquilo a ser feito será feito: queda de anjo é direção. Nosso verdadeiro começo é anterior ao visível começo, e nosso verdadeiro fim será posterior ao fim visível. A harmonia, a terrível harmonia, é o nosso único destino prévio.

Dora Pelegrino é a pecadora e Karan Machado e Alexandre Moffati , os guardas.

•January 18, 2008 • Leave a Comment

18-alexandre.jpg

1º GUARDA – Somos os guardas de nossa pátria. Sufocamos em abafada paz, e da última guerra já esquecemos até os clarins. Nosso amado Rei nos espalha em postos de extrema confiança, mas na vigília inútil nossa virilidade quase adormecemos. Feitos para gloriosamente morrer, eis que envergonhadamente vivemos.

2º GUARDA – Somos um guarda de um Senhor, cujo domínio nos parece bem confuso: ora se estende até onde vão as fronteiras marcadas por costume e uso, e nossas lanças então se erguem ao grito da fanfarra. Ora tal domínio penetra em terras onde existe lei bem anterior. Pois eis- nos desta vez a guardar o que por si mesmo será sempre guardado, pelo povo e pelo fado. Sob este céu de asfixiada tranqüilidade, pode faltar o pão, mas nunca faltará o mistério da realização. Pois que estamos nós fantasticamente a velar? senão o destino de um coração.
– Eis enfim chegado o momento que nos dará o sabor da guerra.- Eis enfim chegado o momento que nos dará o sabor da guerra.

Marco Andino o amante.

•January 18, 2008 • Leave a Comment

17-marco-andino.jpg

AMANTE – Ironia que não me faz rir: chamar de amante aquele que de amor ardeu, chamar de amante aquele que o perdeu. Não, não o amante. Mas o amante traído.

POVO – Não compreendemos, não compreendemos e não compreendemos.

AMANTE – Pois esta mulher que nos meus braços a seu esposo enganava, nos braços do esposo enganava aquele que o enganava.

ESPOSO – Mas na transparência de um brilhante ela já perscrutava a vinda de um amante. Quem vos diz é quem experimentou a peçonha: acautelai-vos de uma mulher que sonha.

AMANTE – Ah, desdita, pois se também junto a mim ela sonhava. O que então mais desejava? Quem é esta estrangeira?

AMANTE – É aquela irrevelada que só a dor aos meus olhos revelou. Pela primeira vez, amo. Eu te amo.

Franco Almada

•January 18, 2008 • Leave a Comment

16-franco-almada.jpg

Deixa-me só com a pecadora. Quero recuperar meu antigo amor, e depois encher-me de ódio, e depois eu mesmo assassiná-la, e depois adorá-la de novo, e depois jamais esquecê-la, deixa-me só com a pecadora. Quero possuir a minha desgraça e a minha vingança e a minha perda, e vós todos impedis que seja eu o senhor deste incêndio, deixa-me só com a pecadora

O Sacerdote

•January 18, 2008 • Leave a Comment

15-sacerdote.jpg

– Mas nem a cor é mais dela. É a da Chama. Ah como arde a purificação. Enfim sofro.